Demonstração de fluxo de caixa: modelo permite boas práticas de gestão financeira

Conheça os métodos que você pode utilizar para fazer a demonstração de fluxo de caixa da sua empresa

A maioria dos empresários entende que a demonstração de fluxo de caixa é necessária à administração financeira de qualquer negócio. Mas nem sempre ela é vista como algo simples de ser feito. Isso porque são diversos modelos utilizados para gerir a vida financeira das empresas.

Ainda, vale ressaltar que o controle do fluxo de caixa deve ser feito de acordo com as necessidades e objetivos do empresário. Mas, então, como saber qual é o melhor modelo?

Pensando nisso, o post de hoje fala sobre por que o controle de caixa é algo essencial para a gestão. E apresenta dois métodos que podem ser aplicados na sua empresa. Confira!

Gif que representa a demonstração de fluxo de caixa com dólares entrando em uma maleta aberta
Afinal, qual o melhor modelo para gerir a vida financeira da sua empresa? (Imagem: Giphy)

A importância do fluxo de caixa

O fluxo de caixa nada mais é do que a organização da entrada e saída de recursos financeiros de um negócio. A entrada diz respeito aos recursos obtidos pela venda de produtos e serviços, além de ativos da empresa. Já a saída se refere aos custos.

Organizar o fluxo de caixa é essencial para verificar se a empresa apresenta uma situação superavitária ou deficitária. O que permite tomar medidas antecipadas de gestão. Trata-se, portanto, de uma ferramenta de administração financeira fundamental. Afinal, é a partir dela que todo empresário consegue controlar e tomar decisões.

Quanto mais próxima a projeção do fluxo está do que foi efetivamente realizado, maior é conhecimento do empresário sobre o negócio. A partir das informações de entradas e saídas, é possível analisar os resultados, calcular a lucratividade e a rentabilidade e planejar a gestão de um modo eficiente para a saúde da empresa.

Como fazer a demonstração de fluxo de caixa

Além de contar com componentes de projeção ou estimativa, a demonstração de fluxo de caixa se caracteriza por ser temporal. Isso quer dizer que ela pode ser diária, semanal, mensal, anual ou feita em um período de tempo definido de acordo com as necessidades de cada empresa. Dessa forma, e considerando os períodos anteriores, a demonstração de fluxo de caixa é usada para calcular as disponibilidades nos próximos ciclos.

O fluxo de caixa pode ser apresentado de duas maneiras diferentes: pelo método direto e pelo método indireto.

Além de ser temporal, sua demonstração de fluxo de caixa deve ser direta ou indireta. Entenda a diferença!

#1 Método Direto

Quando se trata do método direto, a demonstração de fluxo de caixa é feita pelos valores brutos dos seus componentes. Isso diz respeito aos pagamentos e recebimentos advindos das atividades operacionais da empresa.

Esse método deve incluir determinados tipos de valores ligados às operações. Como, por exemplo, pagamento de colaboradores e fornecedores, imposto de renda e juros pagos, recebimento de clientes, bem como juros e dividendos recebidos.

Portanto, o caixa gerado pelas atividades da empresa é explicado inicialmente pelo recebimento das vendas. Isso faz com que a maior vantagem do método direto de demonstração de fluxo de caixa seja a de gerar informação a partir de critérios técnicos livres de interferências da legislação fiscal.

#2 Método Indireto

Já no método indireto, a demonstração de fluxo de caixa é feita a partir do lucro líquido das atividades operacionais da empresa. E tudo vai sendo ajustado pelos itens que, embora afetem o resultado, não modificam o caixa da empresa.

Esse é o caso de itens como depreciação, exaustão, perda ao valor recuperável, amortização, provisões… Além de variações cambiais não realizadas, ganho ou perda na venda de ativos, tributos diferidos, participação de não controladores, equivalência patrimonial, receitas contabilizadas pela competência e que ainda não foram recebidas.

Assim, esses itens não devem ser ajustados no fluxo de caixa. Além disso, o resultado é ajustado em relação aos efeitos de mudanças em estoques e contas operacionais a pagar e receber durante o período e também de outros itens cujos efeitos estão ligados a atividades de financiamento e investimento.

Este post de ajudou? Ainda tem dúvidas? Compartilhe com a gente nos comentários!

2 thoughts on “Demonstração de fluxo de caixa: modelo permite boas práticas de gestão financeira

  1. Monica disse:

    Aguardava algum modelo mais pratico de fluxo de caixa direto e indireto.

    1. Partwork disse:

      Bom dia, Monica! Tudo bem?

      Primeiramente, queremos agradecer por ter lido nosso conteúdo e também pela sua sugestão. Já anotamos aqui para fazermos próximos conteúdos com modelos mais práticos para vocês baixarem, o que acha?

      Estamos produzindo novos materiais mais práticos para você acessar e preencher – basta ficar de olho em sua caixa de e-mail.

      Mais uma vez, muitíssimo obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.